Presidente do Conselho Nacional do Sesi deve substituir Imbassahy, afirma coluna de Jornal


 

João Henrique de Almeida Sousa está sendo fortemente cogitado a ocupar o lugar do tucano Antonio Imbassahy na Secretaria de Governo. A informação é do site O Antagonista. Conforme a publicação, João Henrique é presidente do Conselho Nacional do Sesi; sucedeu o petista Gilberto Carvalho na função. Ainda segundo O Antagonista, o salário dele é de quase R$ 45 mil.

Homem forte do PMDB no Piauí, foi deputado federal pelo estado, ocupou o Ministério dos Transportes no finalzinho do governo FHC, mas depois colou nos petistas e presidiu os Correios nos dois primeiros anos do governo Lula, além de assessorar o governador Wellington Dias. Ainda segundo a publicação, Almeida adora espalhar por aí que é “amigo pessoal” de Temer, de quem costuma ser “papagaio de pirata” em fotos oficiais.


Aposta para eleições, Luciano Huck teria sugerido que se decepcionou com Aécio


 

Uma das apostas para as eleições presidenciais de 2018, o apresentador Luciano Huck já tem uma resposta para quem ligá-lo ao senador Aécio Neves (PSDB-MG).

De acordo com o colunista Lauro Jardim, de O Globo, Huck seguirá a perspectiva da decepção. “Quem não tem pelo menos uns dez amigos com quem já se decepcionou ao longo de uma vida?”, deverá dizer o apresentador global.

Por outro lado, Huck tem dito a interlocutores que ainda pensa sobre sua candidatura e não há perspectiva para uma decisão até o mês que vem.

De acordo com a publicação, se tivesse que definir hoje, Huck diz que não concorreria.


Se não houver fraude, estarei no 2° turno, diz Bolsonaro


“Sou diferente de todos os presidenciáveis que estão aí

 

Em entrevista ao programa “Canal Livre”, da Band, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) disse que, se não houver fraude nas eleições de 2018, com certeza chegará ao segundo turno da disputa.

“Sou diferente de todos os presidenciáveis que estão aí. Quem declara voto em mim dificilmente mudará. Não havendo fraude, com certeza estarei no segundo turno”, afirmou.

O pré-candidato diz contar com a simpatia de grupos específicos, como os evangélicos, os que querem ter arma em casa e setores do agronegócio.

Acredita, no entanto, que as eleições em urnas eletrônicas no Brasil não são limpas, e por isso defende a impressão do voto.

Bolsonaro participou de uma série do programa “Canal Livre” com os presidenciáveis. Foi entrevistado, na madrugada de domingo (19) para segunda (20), pelos jornalistas Fabio Pannunzio, Fernando Mitre, Julia Duailibi, Sérgio Amaral e Mônica Bergamo, colunista da Folha de S.Paulo.

Por quase uma hora, tratou de temas como economia, segurança pública e a relação entre Executivo e o Congresso.

Questionado sobre manifestações pelo país que defendem o autoritarismo, disse que nunca pregou uma intervenção militar.

 

“Mas se chegarmos ao caos, as Forças Armadas vão intervir para a manutenção da lei e da ordem”, afirmou, ecoando comentário similar do general Antonio Hamilton Mourão em setembro deste ano.

Bolsonaro disse ser favorável à privatização de estatais, mas defendeu que cada caso específico seja analisado com cuidado. Vê com receio, por exemplo, a entrada de capital chinês no país. “A China não está comprando do Brasil, e sim o Brasil.”

Bolsonaro fez críticas à Folha de S.Paulo ao ser questionado a respeito de um levantamento de sua carreira no Congresso publicado pelo jornal. O texto revela que, a despeito do discurso liberal adotado recentemente, ele votou com o PT em temas econômicos durante o governo Lula.

“A Folha não é referência de nada. Não atendo mais a Folha. Eles deturpam tudo.”

Na conversa Bolsonaro afirmou ainda ser imune à corrupção e que, em caso de vitória, não seguirá o modelo “toma lá, dá cá” para distribuir cargos.

Comporá um eventual ministério, afirmou, guiado apenas por critérios de competência, sem buscar agradar movimentos feministas, negros ou LGBTs.

Quanto a este último ponto, criticou a discussão de gênero nos colégios.

“Eu quero que todos, inclusive os gays, sejam felizes, mas que esse tipo de comportamento não seja ensinado nas escolas”, argumentou. “Os pais querem ver o filho jogando futebol, não brincando de boneca por causa da escola.”

Ao tratar o tema da segurança pública, um dos principais eixos de seu discurso, defendeu maior rigor e a adoção de medidas enérgicas no combate ao crime.

“Se morrerem 40 mil bandidos [por ano, por ação da polícia], temos que passar para 80 mil. Não há outro caminho. Não dá para combater violência com políticas de paz e amor”, afirmou.

“Preso não deve ter direito nenhum, não é mais cidadão. O sentido da cadeia não é ressocializar, mas tirar o marginal da sociedade.”

No encerramento do programa, em suas considerações finais, Bolsonaro afirmou que o Brasil “precisa de um presidente honesto que tenha Deus no coração”.

Folhapress.


‘Não vai ser difícil ganhar as eleições presidenciais de 2018’, diz Lula


Ex-presidente Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou neste domingo, 19, que “não vai ser difícil” ganhar as eleições presidenciais de 2018, mas defendeu uma mudança de estratégia dos partidos de esquerda para barrar as propostas do governo Michel Temer no Congresso. Ele avaliou que a oposição está fragilizada e lamentou que não tenha conseguido barrar o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff e propostas que, na sua avaliação, representam um retrocesso com relação aos avanços das gestões petistas, como a reforma trabalhista. “Éramos contra reforma trabalhista, e ela aconteceu, éramos contra a Previdência, e se não tomarmos cuidado, vai acontecer”, disse o petista, ao discursar no Congresso do PCdoB. Lula afirmou que o governo Michel Temer é “fraco” e, por isso, se submete “aos interesses do mercado”. “Nenhum presidente fraco é respeitado.” “Os congressistas que estão votando pelo desmonte não têm compromisso conosco. Nunca vi tanto deputado reacionário tanto troglodita, e se não tomarmos cuidado vai piorar na próxima eleição”, disse. Ele declarou que é preciso evitar a aprovação da reforma da Previdência, que “está acontecendo concomitantemente com o desmonte da Petrobras”. “Não tenho mais idade de ficar criando movimento ‘fora Temer’ e ele estar dentro, de ficar gritando não vai ter golpe e ter golpe. Vamos ter que parar de gritar e evitar que isso aconteça mesmo. Isso não pode continuar acontecendo debaixo da nossa barba.” Segundo ele, estão querendo desmontar a Petrobras porque “eles não são políticos, são usurpadores.” E continuou: “Eles não têm compromisso com o povo brasileiro, querem fazer o desmonte, destruir o BNDES, a Eletrobras, a Caixa, desmontar a cidadania. “No discurso, Lula disse que, se não fosse pela sua teimosia e a do PT, não teria chegado à Presidência da República. E que provou que era possível a esquerda transformar este País, citando melhorias em salário, educação e na própria inserção do Brasil no exterior. “Deixamos de falar ‘fino’ com os Estados Unidos.” “Tiramos o País do mapa da fome.” E lamentou que o sonho que a gestão petista sonhou “infelizmente está sendo aos poucos desmontado”. “Estava tudo preparado para o Brasil se tornar a 5ª economia do mundo.”

Estadão Conteúdo


Ex-assessor de Geddel e Lúcio diz ter feito ‘coletas’ de dinheiro na Odebrecht


Lúcio e Geddel Vieira Lima

 

O ex-assessor parlamentar do deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), Job Ribeiro Brandão, afirmou em depoimento à Polícia Federal e à Procuradoria-Geral da República (PGR) que fez “coletas de dinheiro em espécie” na sede da Odebrecht em Salvador (BA). Ele disse ter ido “cerca de 5 ou 6 vezes” na sede da empreiteira onde esteve “com uma senhora de nome Lúcia com quem pegou dinheiro em espécie nessas ocasiões”. As coletas foram feitas a pedido do ex-ministro Geddel Vieira Lima e de Lúcio, segundo depoimento ao qual o Estado teve acesso. Segundo Brandão, Lúcio orientou que ele procurasse a “sua xará no prédio da Odebrecht”. Ele foi informado de que o dinheiro eram “doações de campanha”. Lúcia da Odebrecht era Maria Lúcia Tavares, delatora e ex-secretária do Setor de operações estruturadas da Odebrecht. O depoimento dela que levou a Lava Jato ao chamado ‘departamento de propina’ da empreiteira baiana. Job Brandão tem intenção de fazer um acordo de colaboração premiada. Ele virou alvo da Tesouro Perdido após a PF identificar suas digitais em parte dos R$ 51 milhões encontrados. O ex-ministro e o deputado Lúcio Vieira Lima são investigados pelo crime de lavagem de dinheiro. Lúcio Vieira Lima é alvo de um dos inquéritos abertos com base na delação de executivos da Odebrecht, suspeito de ter recebido R$ 1 milhão da empreiteira para ajudar na aprovação de legislação favorável aos interesses da companhia. O nome de Geddel também é um dos citados em depoimentos de executivos da Odebrecht, sob suspeita de recebimento de propina enquanto esteve à frente do Ministério da Integração Nacional. Recentemente, o também delator Lúcio Funaro afirmou em acordo de colaboração premiada que o presidente Michel Temer dividiu com Geddel propina da Odebrecht. O presidente nega envolvimento em qualquer irregularidade.

Estadão